Blog do JotaBê

sábado, 4 de fevereiro de 2017

DA LIÇÃO DO TEMPO

Não, não deixe ao tempo a tarefa de lhe ensinar.
O tempo é um professor severo.
Sempre a lição virá acompanhada de dor e arrependimento.

Não, não deixe o tempo lhe ensinar.
O tempo lhe rouba a oportunidade de aprender por si.
Lhe rouba a virtude de ter conseguido.

Não, não deixe o tempo lhe ensinar.
O tempo lhe cobrará eternamente a lição
De não ter tido tempo para mudar por si só.

E lhe dirá, não sem dor,
Desista! Mude! Aprenda!
ou sofra.



segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Da Relavitidade de Tudo

Descobri várias coisas pela vida. 
Tenho marcas de muitos dos aprendizados.
Dores de perda, dores de arrependimentos.
Partidas antes da hora, precipitadas. Encontros indevidos.

Descobri várias coisas pela vida.
Mas a maior descoberta, a que mais me marcou, é saber que,
Na verdade, o tempo não passa.... Nós é que passamos.

domingo, 25 de setembro de 2016

Conversas Mudas

Tenho muita coisa a lhe dizer. A noite, embalado pela insônia me pego a pensar em nós dois. O quanto sou feliz ao seu lado, o quanto a admiro.
Corro a mão por seu corpo de uma forma bem suave, quase mentalmente. Já chega um de nós estar acordado.
Me prometo dizer tudo pela manhã. Procuro dormir.
De manhã, a rotina nos engole. Já estamos atrasados. Não cabe essa conversa.
Passam-se os dias e eu vou nas minhas  insônias, tendo essas conversas mudas com você.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Será????

"Tire suas mãos de mim, eu não pertenço a você.
Não é me dominando assim que você vai me entender.
Posso estar sozinho, mas eu sei muito bem aonde estou.
Você pode até duvidar, mas acho que isso não é amor.


Nos perderemos entre monstros da nossa própria criação?

Serão noites inteiras. 
Talvez por medo da escuridão ficaremos acordados,
 imaginando uma solução prá que nosso egoísmo não destrua nosso coração.


Será só imaginação?

Será que nada vai acontecer?
Será que tudo isso foi em vão?
Será que vamos conseguir vencer?"


(Será - Legião Urbana)

terça-feira, 3 de maio de 2016

Da Incrível Arte de Ser Convidado


Muito se fala na necessidade de vencermos na vida
De estarmos na frente de combate, de lutarmos por uma causa.
De não sermos omissos e nos posicionarmos firmemente.

Incrível isso. Também acho incrível.

Mas tem uma outra arte a ser compreendida e valorada.
A Arte de Servir e a Arte de Ser Convidado.

Da Arte de Servir já falaram muitos. O tema é base de fé de muitas religiões.

Mas, e da Arte de Ser Convidado, hem? Quanto já ouvimos falar?

Primeiro é preciso entender. O que se quer dizer por “Ser Convidado”?
Esclarecendo, não tem nada a ver com “como conseguir ser chamado para algo”.

Ser Convidado é estar em algum lugar sem o direito de impor critérios ou parâmetros.
É Estar sem Ser. É saber conviver com o “status quo” ou mesmo dele fazer proveito sem estar nele de fato.
Quer um dito popular? “Sapo de fora não chia”.
Pronto, está explicado o termo. Mas qual a Arte em “Ser Convidado”?

Saber entender valores e saber se portar segundo eles.
Se você está ali e PRECISA estar ali, entenda sua necessidade e saiba se portar segundo ela. Vai reclamar de quê? Vai questionar o quê?
Entenda que você PRECISA estar ali. Você é PASSIVO na relação e já está bom demais PERMITIREM que ali você esteja.
ORGULHO? VAIDADE? VALORES? Esquece isso. Sua NECESSIDADE é maior que tudo isso.
FIQUE ALI E PRONTO.
Mas “Ser Convidado” ou se portar como tal não é algo singular. Algo de uma única faceta. (Eu disse que o tema era uma Arte e, por isso, complexa).

Você pode estar alí por VONTADE, por QUERÊNCIA.
Algum valor o colocou ali e ali você permanecerá, até que esse valor se dissolva, se acabe.
Você não está ali porque CONQUISTOU O DIREITO DE ESTAR ALI. Isso não existe em algumas situações.
É fácil, como JÚLIO CÉSAR, dizer: VIM, VI,  VENCI,  em se tratando de uma batalha tal como Zela.
Mas isso não é SER CONVIDADO. Pode ser uma Arte, mas sem sutilezas. Uma Arte da Guerra, na verdade.
A ARTE DE SER CONVIDADO  é estar em sintonia consigo e com seus valores. Deixar que as coisas aconteçam sem interferir no modo como elas acontecem.

Sem se importar? Claro que não. 
Mas sem impor. Estar alí até que o dia termine, até que a noite aconteça, até que tudo se acabe, até que nada mais floresça. 
Estar ali até que o valor de estar ali se perca.



quinta-feira, 21 de abril de 2016

Nunca aos Domingos

O título não é original. Roubei de um filme NEVER ON SUNDAY.
O texto não tem nada com o filme. Nenhuma conexão, só coincidência.

Tenho postado coisas QUASE no momento em que acontecem. 

As vezes o sentimento demora a virar letra, outras vezes vira logo, num rápido espasmo.
Mas mesmo assim, me atraso no postar. 
Não quero que a leitura me devolva o sentimento que, tendo virado escrita, não deveria voltar a ser sentimento. Pelo menos para mim.

Claro, vai ser sentimento para os outros, para quem ler, 

para quem das letras fizer abrigo no coração.
Vai sentir quem tiver que sentir. 
Letras não movimentam sentimentos se lágrimas já não o fizeram antes.

Para mim, já foram lágrimas, já foram dores. Ao final, viraram letras.


Sempre acontece assim... mas nunca aos domingos.

Porque domingos não foram feitos para doer.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Desamizar (ou, A Culpa é do Verbo)

Tenho um amigo que não é mais.
Melhor explicando, tenho um ex-amigo. 

O que aconteceu? Desamizei dele.
Existe o verbo? Fui pesquisar. 
Claro que não existe. Existe "Fazer Amizade" e "Desfazer Amizade". 

FAZER seria Verbo de Ligação e até que estaria certo porque buscando amizades queremos fazer ligação com alguém. 

Ah! Mas a vida não é tão simples assim.

Os Verbos de Ligação indicam uma Qualidade do Sujeito e, nesse caso, não basta o sujeito ter qualidade. Tem que ter ação para que um sujeito faça amizades. 

Então, o verbo tem que mostrar Qualidade do Sujeito (que é o que os verbos de ligação fazem) e, ainda, que esse sujeito pratique a ação. 



Verbos que denotação Ação do Sujeito (e até podem mostrar a qualidade dele) são os verbos TRANSITIVOS. Pode ser Diretos, Indiretos, ou os dois. 

TRANSITIVO quer dizer, segundo o Aurélio "que não permanece, que dura pouco; passageiro; transeunte; transitório".

Agora entendi porque a amizade acabou. 

E eu aqui achando que era porque ele era chato e sistemático....kkkk

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Da estranha arte de perdoar

Estou eu aqui, acordado, às 5 da manhã, pensando
em como posso fazer para me perdoar.

Claro! Uma atitude egoista.
Egoista como foi depender de alguém e esquecê-la, quase que completamente,
quando passei a me sentir realizado.
Prá não ser injusto também comigo, o esquecimento tinha duas características:
Ela estava sob a guarda de pessoas queridas e de confiança;
Eu até tentei, mas não tinha como tê-la perto de mim naquele instante.

Agora me vem a condição de julgar a situação e me posicionar.
Não tenho como. Não tinha os olhos na situação.

Perdoar?
O que e a quem?
Perdoar a mim pela distância e falta de zêlo? Pela confiança excessiva?
Por uma fatalidade que pode ter sido prevista e premeditada?
Pela índole de alguém?
Não tenho como fazer isso.

Posso sim, recebê-la de volta, de braços abertos.
Posso dobrar meu carinho. Posso conviver com minha falta.
Posso olhar para ela e não esquecer do acontecido.
Posso deixar também que outros não esqueçam, quando olharem prá mim.

E fica cada um com sua falta, com sua culpa, com sua história.
E ninguém saberá mesmo o que houve, a não ser quem, pelo momento e motivação,
sabe realmente o que fez.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Minha Sanidade é Cor de Rosa

Passei por ela e sorri. Uma? Não. Milhares de vezes.
Aquele batom cor de rosa não sorria para mim.

Passei a esperar um sorriso, e acreditar que ele viria, um dia.

Sempre na mesma hora, nos mesmos dias, eu cruzava com aquele lindo batom cor de rosa.
Mas sorriso que era bom, ele não dava.

Esperar aquele sorriso passou a ser uma obsessão. Sonhava com ele.

E ele veio, calmo, tranquilo, perfeito.
Primeiro veio o olhar. O olhar me sorriu. Mas foi tão rápido, tão inesperado que acreditei mesmo que era fruto da minha imaginação.

Esperei dias até que pudesse ver aquele batom de novo. E o sorriso do olhar veio de novo.  Durou apenas um ínfimo de segundo. Aquele onde nossos olhos se cruzaram. Os olhos apenas brilharam e logo foram dirigidos para o chão. Os olhos? Lindamente tímidos.

Dos olhos o sorriso desceu para os lábios. Até que enfim aquele batom cor de rosa percebia minha existência.

O sorriso nasceu no canto dos lábios que, também tímidos, apenas arquearam um pouco. Mas eu percebi. Estava tão atento que percebi. Olhei para os olhos dela que também sorriam. Meu dia se iluminou.

Nos dias seguintes a chuva me obrigou a viver da lembrança daquele sorriso. E tanto tempo se passou que, hoje, acredito mesmo que sonhei tudo isso.

Não me importam os reservatórios, o aquecimento global, a seca na agricultura. Quero que pare de chover imediatamente. Preciso de um sorriso para atestar minha sanidade.


domingo, 8 de março de 2015

O que é o Casamento

Casamento é um processo de amputação de desejos e contribuições.
Um refrear de intenções.
É o cemitério do amor.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Como te Amo

"Te amo sem saber como, nem quando, nem onde.
Te amo diretamente sem problemas nem orgulho;
Assim te amo porque não sei amar de outra maneira"

Cem sonetos de Amor - Pablo Neruda

sábado, 8 de novembro de 2014

Combinação

Então está combinado,
Eu passo por você e falo Oi,
E você promete apenas me sorrir.

Vamos limitar nossa amizade ao máximo
Que nos permitimos possuir:
uma suave lembrança do que outrora foi
a esperança de mais um amigo.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Apenas Ovelhas

Lembrando de um trecho do poema de Gregório de Matos:
"Eu sou, Senhor, a ovelha desgarrada
Cobrai-a, e não queirais, Pastor divino,
Perder na vossa ovelha a vossa glória"
Essa eleição deixou por aí muitas ovelhas desgarradas.
Por certo, 48, 52% de todo o rebanho e, talvez, mais de 80% das ovelhas produtivas.
É preciso olhar para esse rebanho, e que o pastor (ou pastora) não se perca em outro foco que não o de preservar todo o rebanho.

Porque essa é a missão precípua de todo pastor: cuidar do rebanho. Saber de suas necessidades e dar a essas necessidades o devido acolhimento.
Muito mais do que soberano das ovelhas, o pastor é seu funcionário.
Sem a unidade, não há pastor, não há rebanho. Apenas ovelhas.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

A alguns passos do Paraíso

Eu a acho graciosa.
Isso mesmo, essa é a palavra certa, Graciosa.

Adoro vê-la andar à minha frente ou quando vem em minha direção.
Ensaio uma frase de bom dia mas só consigo sorrir.
Não quero perturbá-la com "ois" ou "olás".
Quero apenas vê-la andar.

Sei o que sentiu Tristão ao ver Isolda.
Sei a emoção de ter devaneios de amor e conquista.
Mas sei a importância de a ter distante.

Enquanto nada acontece, tenho o Sim e o Não.
Fantasio sua condição, sua disponibilidade, sua aceitação de mim.
A dúvida me permite sonhar enquanto a realidade é sempre cruel.
Pode trazer um Sim que acelera o querer, ou um Não que o mata de vez.

Uma mulher vale pelo que provoca.
Pelo desejo que invoca, pelos sonhos que nos faz sonhar.
Por que acelerar esse momento? Transformar o desejo em posse?
A posse mata o amor.

Ela é a melhor parte do meu dia.
Minha fuga quando os aborrecimentos me cercam de todos os lados.
Fecho os olhos e a vejo andar, e me alegro de novo. Sorrio.

Tem dias que a vejo, outros não.
Então não é sempre que me alegro,
Mas isso não me impede de imaginar que irei vê-la.
E me contento com meu desejo.

Um dia a vi sorrir em minha direção.
E tomei posse daquele sorriso como se fosse meu, como se fosse para mim.
Ninguém mais estava ali a merecer um sorriso seu, então ele era meu por direito.
Era a retribuição a todas as frases não ditas, aos meus sorrisos de encantamento.

Tudo parece um sonho, e talvez o seja.
Não sei o seu nome ou endereço.
Sei o que sabe meu coração
Que ela é prá mim, Graciosa.


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Menos da metade dos meus 130 anos


Hoje foi um dia atribulado. O que parecia ser um dia tranquilo, de chinelo de dedo e bermuda, acabou exigindo calça jeans e bota, reuniões e trocas de emails. Com isso demorei para entrar no FACE e quando entro, um monte de parabéns dos meus amigos. 
Curti todos!!! 
E a cada novo nome que aparecia, renascia em mim o melhor de nossa história, e eu revivi vários momentos de várias amizades, enquanto ia curtindo as felicitações.


Estou cada dia mais feliz de ter nascido e vivido. Vejo meus dias passados com uma felicidade imensa, e meus dias futuros com esperança e desejo de os viver na plenitude. Adoro a vida.

Agora ainda mais, na expectativa da chegada de Alice. Quero olhá-la nos olhos e dizer, BENVINDA!!! Aqui é um ótimo lugar para se Ser Feliz.


Nesse ano, até que enfim, resolvi um dos maiores problemas que todos nós temos quando já se faz necessário um extintor por perto na hora de acender as velinhas.Um Segredo que vou revelar aos amigos: - Passei a adotar o critério de que vou viver até os 130 anos.

Com base nesse novo critério, não cheguei nem na metade do que tenho para viver. 
Estou, por assim dizer, na média idade. Então, faço planos e mais planos, vivo novas e boas coisas, pesquiso novidades, curto novas atividades - mantendo as que mais gosto e deixando de lado umas para dar espaço a outras. 
Me renovo no meu jeito de viver e pensar. 
Se vou mesmo viver até os 130 anos? Na verdade verdadeira mesmo, nenhum de nós sabe se chega até o final de semana. Não é isso que importa. 

O que importa - e foi o que todos esses anos me ensinaram - são os planos, os projetos, os desejos, os afetos, os momentos de olhos irrequietos, amando, olhando, buscando, desejando e admirando esse belo mundo.


 
BlogBlogs.Com.Br